A indústria telenovela mexicana já introduziu tantos produtos memoráveis ​​que ainda é lembrada como uma marca de TV. Muitas dessas atividades de dramaturgia ficam marcadas no coração dos fãs principalmente dos personagens, esses casais, desde o primeiro capítulo, estão envolvidos em um relacionamento romântico ruim e forte. Em muitos casos, os planos dos pássaros do amor são frustrados por criminosos sem escrúpulos, que estão determinados a virar as costas para os males muito diferentes para se disfarçar.

O Incrível.club decidiu abrir um estande de memória para trazer a você, estudante, 15 dos casais mais memoráveis ​​dos jogos mexicanos, aqueles que chamam a atenção do público não só para o México, mas também para o Brasil e vários outros países.

1. Anahí e Alfonso Herrera (Herege)
Foi em 2004, quando a série dramática Rebelde se transformou em um verdadeiro pesadelo entre os adolescentes. Muitos deles queriam se vestir como personagens, até imitando suas próprias frases e modos de falar. No centro das atenções estava um casal formado por Mia (Anahí) e Miguel (Alfonso Herrera). Eles se amam apesar do ódio nutrido em suas famílias, pelo excelente estilo Romeu e Julieta.

2. Eduardo Palomo e Mariana Levy (La pícara soñadora)
Na primeira versão de La pícara soñadora, que promoveu uma série dramática de mesmo nome produzida no Brasil, Lupita López (Mariana Levy) sonha em se formar na universidade e conseguir um bom emprego. Ele distingue seu dia entre trabalhar em um supermercado e estudar direito; ninguém sabe que Lupita e seu tio dormiram em um armazém, sem lugar para ficar. No entanto, a vida da garota muda quando ela se apaixona por um “trabalhador” do armazém. No entanto, o que ele sabe é que sua namorada, Carlos Pérez, na verdade se chama Alfredo Rochild (Eduardo Palomo), filho do dono da loja. Os dois vivem um lindo amor, lembrado até hoje por muitos espectadores por causa da aura inocente e onírica. O ano era 1991.

3. Sergio Basañez e Silvia Navarro (Cuando seas mía)
Quem o vê esquece a relação amorosa (e por vezes problemática) entre a famosa Paloma (Silvia Navarro) e Diego Sánchez-Serrano (Sergio Basañez) nos mares do Cuando. A novela de 2001 foi adaptada de uma produção colombiana chamada Café com Aroma de Mulher, que é lembrada por ser um grande sucesso mundial, sendo retransmitida em países como o Brasil. Apesar de ser uma versão de outra obra, a novela conquistou seu lugar na memória dos fãs, em grande parte devido à química entre Silvia Navarro e Sergio Basañez.

4. Fernando Colunga e Adela Noriega (Amor Verdadeiro)
Instalado no México logo após a libertação do país, Amor Real foi uma novela com uma forte vontade de contar a história da época em 2003. Na produção, Matilde (Adela Noriega) prefere um jovem soldado chamado Adolfo (Mauricio Islas). No entanto, a família da menina não permite que ela se case com seu candidato, exigindo que Matilde fortaleça a união com Manuel Fuentes-Guerra (Fernando Colunga), um homem talentoso. Embora a personagem principal relembre o antigo amor, ela aos poucos começa a se apaixonar pelo marido, tornando-se o eixo de toda a estrutura.

5. Eduardo Palomo e Edith González (Wildheart)
Coração Selvagem é uma novela de 1993 estrelada pela Condessa Mônica de Altamira (Edith González) e o memorável João do Diabo (Eduardo Palomo). No melodrama, duas meninas, Mônica e Aimée (Ana Colchero), desafiam o amor do filho mais velho de um rico latifundiário: João do Diabo, citado acima, um homem moreno e desprezível. O forte contraste entre a mulher nobre e o homem analfabeto deixou o público maravilhado.

6. Victoria Ruffo e César Évora (Madrastra)
Madrastra foi produzido em 2005 e apresenta o idealizador da tragédia de Maria Fernández da Cunha de San Román (Victoria Ruffo) e seu marido, Estevão San Román (César Évora), que passaram 20 anos separados depois que Maria foi acusada de assassinato. .não estão comprometidos. A história mostrava um casal maduro, diferente dos jovens comuns, que tiveram que superar obstáculos em nome do amor.

7. Fernando Colunga e Thalia (Maria do Bairro)
Uma das novelas mais memoráveis ​​do México, Brasil e vários outros países é Maria do Bairro, desde 1995. Na história, o amor de Maria (Thalía) por Luis Fernando (Fernando Colunga) passa por alguns problemas muito estranhos, desde o início. diferenças de classe social e o amor irracional de um primo louco, através da conspiração de funcionários da família e abandono de crianças e problemas psicológicos. Tudo depende da relação entre a menina pobre e o herdeiro rico. Mas, como sempre, o amor prevalece.

8. Juan Soler e Adriana Nieto (O Amor da Loucura)
A novela Loucura de Amor foi lançada em 2000 e tem em seu programa principal uma paixão entre os jovens e uma psiquiatra que trabalha na escola que frequenta. O casal, interpretado por Juan Soler e Adriana Nieto, tinha química avançada. É por isso que você pode imaginar a surpresa dos telespectadores quando, a poucos capítulos do final da novela, o protagonista começa a ser interpretado por outro personagem. Grande e sem aviso prévio, a mudança deixou os fãs atordoados.

9. Verónica Castro e Guillermo Capetillo (Rosa Selvagem)
Com o belo estilo Cinderela, a novela Rosa Selvagem estreou em 1987. A produção contou a história de uma jovem pobre, chamada Rosa (Verónica Castro), apaixonada por um jovem rico Ricardo Linares (Guillermo Capetillo). Para variar, alguns membros da família, cheios de más intenções, tentam atrapalhar o amor pelos pássaros. Mas o amor vence, como deveria.

10. Fernando Colunga e Gabriela Spanic (O Usurpador)
A Usurpadora se tornou um grande sucesso em 1998. O casal formado por Paulina (Gabriela Spanic) e Carlos Daniel (Fernando Colunga) apareceu em uma telinha, mesmo sendo presenteado com um duplo padrão: Gabriela Spanic fez dois papéis ao mesmo tempo. tempo na produção. Paulina e Paola eram gêmeas idênticas, mas tinham personalidades completamente diferentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.