A apresentadora Fátima Bernardes (59) fez um comentário sobre o caso da atriz Klara Castanho (21), que foi vítima de estupro, engravidou e decidiu entregar o bebê legalmente para a adoção. No programa Encontro desta segunda-feira, 27, a comunicadora defendeu a atitude da atriz e criticou o vazamento das informações sigilosas sobre o caso.

“Isso diz respeito à vida dela, à intimidade dela, e acabou vazando e sendo divulgado”, disse ela, e completou: “Considero [o que ela fez] um gesto de amor e preocupação com a criança”.

A atriz Juliana Paes (43) estava no programa Encontro e também defendeu Klara Castanho. “Ela teve uma atitude muito corajosa, 21 anos, quero pedir que as pessoas parem o julgamento, ele deprime, ele mata. As pessoas precisam entender que não é porque você é uma pessoa pública que sua vida tem que ser esmiuçada em todos os momentos”, disse ela.

E completou: “Pessoas falam, quem manda ser famoso? Por que é famoso você fica menos humano? Parem de pensar que o famoso tem que ter a vida esmiuçada. Nós somos famoso porque é reflexo do meu trabalho. Mas nós não quer ter nossa vida esmiuçada a vida inteira. Vamos cuidar das nossas vidas, ne, é tão bom!?”.

Carta aberta de Klara Castanho sobre o drama que viveu
Na noite deste sábado, 25, a atriz Klara Castanho (21) fez um desabafo emocionante sobre o que viveu nos últimos meses. Ela revelou que foi vítima de estupro e engravidou.

A artista apenas descobriu que estava grávida no final da gestação e decidiu entregar a criança para a adoção dentro da lei. Assim, após ver o seu nome ser alvo de rumores, ela decidiu contar toda a história em uma carta aberta emocionante.

“Esse é o relato mais difícil da minha vida. Pensei que levaria essa dor e esse peso somente comigo. Sempre mantive a minha vida afetiva privada, assim, expô-la dessa maneira é algo que me apavora e remexe dores profunda e recentes”, disse ela.

E continuou: “Fui estuprada. Relembrar esse episódio traz uma sensação de morte, porque algo morreu em mim. Não estava na minha cidade, não estava perto da minha família, nem dos meus amigos. Estava completamente sozinha”.

A artista contou que descobriu a gestação durante um exame após se sentir mal. “Entre o momento que eu soube da gravidez e o parto se passaram poucos dias. Era demais para processar, para aceitar e tomei a atitude que eu considero mais digna e humana.

Eu procurei uma advogada e conhecendo o processo, tomei a decisão de fazer uma entrega direta para adoção. Passei por todos os trâmites: psicóloga, ministério público, juíza, audiência -todas as etapas obrigatórias.

Um processo que, pela própria lei, garante sigilo para mim e para a criança. A entrega foi protegida e em sigilo. Ser pai/e ou mãe não depende tão somente da condição econômica-financeira, mas da capacidade de cuidar. Ao reconhecer a minha incapacidade de exercer esse cuidado, eu optei por essa entrega consciente e que deveria ser segura”, declarou.

No final do depoimento, a atriz desabafou. “A verdade é dura, mas essa é a história real. Essa é a dor que me dilacera. No momento, eu estou amparada pela minha família e cuidando da minha saúde mental e física”, escreveu.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.