Chegou a hora de dar a Simaria, o que é de Simaria. Com o perdão do trocadilho, nos últimos dias noticiamos algumas excentricidades da cantora que, para muitos, soa como um certo egocentrismo exagerado mas que, para este colunista, que acompanha a carreira desta grande artista há tantos anos, tem um outro significado.

E a partir de agora, com alguns exemplos, você vai entender o que Simaria Mendes Rocha mudou na história da música feminina do Brasil.

Simaria tem algumas características que chocam no primeiro momento: o perfeccionismo exagerado, que acaba se prendendo a detalhes que podem ser considerados banais e uma exigência severa, que, numa sociedade ainda dominada por homens, causa estranheza.

De início é importante frisar que todas as viradas de carreira da dupla aconteceram por um único motivo: Simaria sempre teve uma visão de onde poderia chegar.

Desde a saída traumática de backing vocals de Frank Aguiar, passando pelo Forró do Muído (um trio de forró eletrônico em 2007), até a visão que a música brasileira precisava de vozes femininas cantando dramas do cotidiano das mulheres.

Tudo isso veio da cabeça de Simaria. Ela odeia a mesmice, ela jamais se acomoda, ela é ambiciosa demais. E por isso chegou tão longe.

Ao ganharem a alcunha de “As Coleguinhas”, elas pararam o Brasil. Eu me lembro do primeiro DVD da grupa, gravado em Goiânia. Eu cheguei bem cedo ao local, o público ainda estava entrando e quando eu vejo: lá está Simaria conferindo o palco, olhando os cantos, para ver se está tudo no lugar certo.

Esse perfeccionismo com que ela encara a própria carreira a faz, talvez involuntariamente, cobrar tanto do outro. Essa é a Simaria. Toma para si toda a responsabilidade.

Só que, internamente, ela espera que toda essa entrega seja reconhecida e valorizada pelo público, que, na maioria das vezes, não tem essa percepção.

E aí vem a frustração de Simaria. O carisma exacerbado de Simone ofusca o profissionalismo da irmã. Mas elas precisam entender que é isso que faz o sucesso. Ninguém precisa se apossar dele, ele pertence a ambas. (JUNTAS!!!!!). Separadas, elas não serão as mesmas.

MERCADO PUBLICITÁRIO

Outro ponto que foi uma grande virada comercial para a dupla foi a entrada no The Voice Kids. A audiência com a estreia delas atingiu níveis inimagináveis para a Globo e abriu uma porta enorme para o mercado publicitário.

Contratos gigantescos com marcas renomadas. Isso fez com que a música fosse deixada um pouco de lado, mas não o profissionalismo de Simaria.

Ela mais uma vez se entrega por inteiro. Quer saber do resultado da campanha. Dos números de vendas. Do impacto da imagem delas junto ao produto. Pra que tudo isso, Simaria? Não adianta, ela é assim.

Simaria conseguiu chamar atenção até dos maiores publicitários do mercado porque além de vender o produto, ela se preocupa em saber do resultado de suas campanhas, se ela entregou o que foi acordado, alcançou as metas, supriu as expectativas.

Essa é a Simaria. Perfeccionista, excêntrica, exagerada, hollywoodiana, que parece não caber dentro de si. Que anda na contramão do “orgânico”, do improviso, do descompromissado… ela não é nada disso. Para muitos artistas, até o erro é bem vindo. Mostra a verdade. Para ela, não.

Leia com clareza a conclusão deste texto: o Brasil tem pouquíssimas artistas tão profissionais, entregues, exigentes e perfeccionistas como Simaria.

Muitas vezes, difíceis de entender… que causam até estranheza. Mas os gênios geralmente são assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.