A história de Chico

O cachorro resgatado recebeu o nome de Snappily (“veloz”, em inglês). O motivo da escolha foi a rapidez com que o peludo conquistou os corações dos socorristas que atenderam ao chamado. Ele estava preso no lodo do riacho.

Não se sabe se ele caiu por engano e ficou enredado na lama e no lixo acumulado na margem, ou se Snappily simplesmente tinha desistido. Os olhos tristes do cachorro contavam uma longa história de negligência, maus tratos e falta de atenção.

O cachorro estava muito fragilizado. Com fome, desidratado e com ferimentos nas patas traseiras. A dor que o peludo sentia dificultava ainda mais as possibilidades de ele se livrar da armadilha em que tinha caído.
Os voluntários de resgate perceberam que se tratava de uma emergência e não perderam tempo. O cachorro parecia indiferente à própria sorte, mas os socorristas sabiam que precisavam fazer tudo o que estivesse ao alcance para salvá-lo.

Eles salvam cachorrinho próximo de um riacho que parecia não querer mais viver

Retirado do lodo, o cachorro deu alguns passos mancando bastante. A equipe de resgate percebeu que ele sentia muitas dores, a ponto de preferir ficar parado, esperando a morte. O animal foi transferido para um hospital veterinário.

A recuperação

Os médicos diagnosticaram uma infecção grave nas duas pernas traseiras. A solução inicial proposta foi a de amputar os dois membros. A recuperação prometia ser difícil, mas, livre da inflamação, Snappily sentia menos dor e começou a mostrar uma personalidade resoluta.

Antes de realizar a cirurgia, no entanto, a equipe do hospital resolveu tentar um último recurso: o uso de próteses. Com elas, o cachorro conseguiria se movimentar, sem forçar demais os músculos e ossos das pernas doentes.

O cachorro demonstrou ser muito amoroso. Rapidamente, ele aprendeu a andar com as próteses – semelhantes a botas de cano alto –, arrastando o corpo na direção do canil, do comedouro, do bebedouro e da área livre. Havia uma pequena chance para o peludo.

Em alguns dias, o cachorro voltou a demonstrar interesse por tudo que o cercava. Livre das dores, com comida e água fresca à disposição, Snappily nem se importava com o fato de ter de usar as próteses: ele queria viver.

Eles salvam cachorrinho próximo de um riacho que parecia não querer mais viver

Mais bem-disposto e colaborativo, o cachorro continuou revelando uma personalidade serena e amigável. Snappily é um animal tranquilo: ele não costuma revelar medo nem se esconde dos humanos, apesar de ter tido uma vida miserável.

O tratamento fisioterápico foi um sucesso. Em algumas semanas, o cachorro – rebatizado como Chico – reagiu bem aos medicamentos, superou as infecções e voltou a andar sem nenhum tipo de auxílio.

Mesmo assim, os tratadores acreditavam que o cachorro não teria muito tempo de vida. Apesar de interagir sempre que era estimulado, Chico passava a maioria do tempo sozinho, indiferente ao que acontecia ao seu redor.

Muito lentamente, Chico voltou a demonstrar confiança. Ele começou a estabelecer relações diferenciadas com os voluntários do canil, brincando com alguns, obedecendo a outros. O cachorro voltava à normalidade.

Provavelmente, Chico conheceu o pior lado da vida. As lesões nas pernas resultaram de maus tratos – não se sabe se da parte de tutores irresponsáveis ou de pessoas que não se importaram em machucar um animal indefeso.

Um vídeo com o resgate, o tratamento e a recuperação de Chico foi postado na página do The Moho, no Youtube. Ele já recebeu mais de 300 mil visualizações e milhares de internautas comentaram sobre a história do “cachorro que não queria mais viver”.

Chico ainda não tem um lar definitivo, mas está fazendo a festa das crianças que visitam o abrigo. Sem as dores que o acompanhavam e tendo voltado a confiar nos humanos, este cachorro se mostrou um grande amigo, muito companheiro e brincalhão.

O peludo já está disponível para adoção. Esperamos que ele encontre uma família em breve. Temos certeza de que ele tem muitas outras qualidades para revelar: afinal, todos os seres vivos merecem uma chance de ser felizes.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.